quinta-feira, 25 de maio de 2017

III ENCONTRO DA OFICINA OLHARES (IM)POSSÍVEIS NA ESCOLA MUNICIPAL JUVENTINA DRUMMOND

A oficina Ouro Preto: Olhares (IM)Possíveis voltou na última terça-feira, 23 de maio, à Escola Municipal Professora Juventina Drummond, localizada no morro Santana. Neste encontro com as turmas 21, 22 e 23 do 7° ano, foi trabalhado o desenvolvimento das atividades anteriormente realizadas com os alunos.
A primeira atividade realizada com as turmas foi uma conversa sobre o mapa afetivo, feito no encontro anterior. A segunda etapa da oficina foi a realização das fotografias que irão compor os cartões postais. Antes de irem a campo, os alunos conversaram com os mediadores para definirem, dentro do mapa afetivo, quais seriam os lugares onde tirariam suas fotos. Feito isto, os alunos saíram pelo bairro, com intuito de realizar os registros. Ao retornarem para a sala, cada estudante escolheu que imagens utilizariam para a confecção dos cartões postais; além de escreverem os textos que irão complementar as imagens.
A próxima atividade com os alunos da Escola Municipal Professora Juventina Drummond acontecerá na próxima segunda-feira, dia 29 de maio.

Confira o vídeo:




segunda-feira, 22 de maio de 2017

II ENCONTRO DA OFICINA OLHARES (IM)POSSÍVEIS NA ESCOLA MUNICIPAL PROF. ADHALMIR MAIA

   Na última quinta, 18 de maio, foi dia de voltar à Escola Municipal Prof. Adhalmir Maia para seguirmos com as atividades da oficina Olhares (IM)Possíveis. Dessa vez, a nossa equipe retornou fora do horário das aulas para passar uma tarde toda com as crianças do 5º ano, conversando e praticando a fotografia.
   Neste encontro, a equipe do Sentidos Urbanos: Patrimônio e Cidadania conversou com os alunos sobre as atividades desenvolvidas no último encontro. Após quase uma hora de conversa, foi o momento de contar aos alunos, de forma breve, a história da fotografia - dos primórdios até os dias atuais.
   A atividade foi encerrada com uma caminhada pelo bairro, onde cada um deles/as pode fotografar os locais e situações que se tornarão os cartões postais, assunto para o próximo encontro.
  A oficina Olhares (Im)possíveis acontece por mais três encontros na escola. Quer ficar por dentro?! Acompanhe tudo através do nosso blog e da nossa página no facebook.
    
Confira:

II ENCONTRO DA OFICINA OLHARES (IM)POSSÍVEIS EM MARIANA

A oficina Olhares (IM)Possíveis continua! No último dia 17, quarta-feira, ocorreu o segundo encontro em Bandeirantes, distrito de Mariana, na Escola Estadual Cônego Mauro de Faria, com as turmas da educação integral. Mais uma vez, esta ação ocorreu em parceria com coletivo MICA - Mídia, Identidade, Cultura e Arte.
Na atividade, foi contado aos alunos, pela equipe do Sentidos Urbanos: Patrimônio e Cidadania, um pouco sobre a história do cinema e dos famosos Irmãos Lumiére. As crianças e jovens presentes também tiveram contato com certas noções fundamentais para a linguagem cinematográfica, como a cena e o plano. Esta contextualização foi pano de fundo para que os alunos pudessem, posteriormente, eleger um cenário do distrito, aos arredores da escola, e gravarem um take de um minuto em câmera fixa.
Os alunos se jogaram e exploraram diferentes locais do distrito! Após a exposição em sala dos pequenos filmes, que renderam bons registros e boas risadas, o próximo passo ocorre no dia 24 de maio, próxima quarta-feira.


Confira o que rolou:


quinta-feira, 18 de maio de 2017

Oficina Olhares (IM)Possíveis ocorre na Escola Municipal Juventina Drummond

As ações do programa Sentidos Urbanos: Patrimônio e Cidadania não param. Na manhã da última terça-feira, 16 de maio, aconteceu na Escola Municipal Professora Juventina Drummond, localizada no bairro Morro Santana, a oficina Ouro Preto: Olhares (IM)Possíveis. Participaram da oficina as turmas 21, 22 e 23 do 7° ano, acompanhadas pelas professoras de Português e Geografia. Após a apresentação da equipe do Sentidos Urbanos, os alunos conheceram a história da fotografia, o princípio da construção de imagens e a dinâmica das câmeras analógicas. A fase prática da oficina foi a construção de cartões postais com imagem do lugar em que os alunos vivem. A ação foi resultado de um registro feito pelos estudantes do trajeto que percorrem cotidianamente de casa à escola. Estes registros serão o ponto de partida para a continuação da oficina que voltará à Escola Juventina Drummond na próxima terça-feira, dia 23.
Confira:





domingo, 14 de maio de 2017

Olhares (Im)Possíveis: Programa Sentidos Urbanos: Patrimônio e cidadania realiza mais uma atividade na EM Prof. Adhalmir Santos Maia


Na manhã de quinta-feira, 11 de maio, aconteceu na Escola Municipal Prof. Adhalmir Santos Maia mais uma atividade realizada pela nossa equipe. Como desdobramento da primeira ação do Programa Sentidos Urbanos: Patrimônio e cidadania, com os alunos da turma do 5° ano da escola, foram realizadas diversas atividades que tinham como objetivo conhecer os estudantes e suas impressões sobre o ambiente em que vivem.
Antes de começar as atividades, foi realizada uma reunião com os representantes dos alunos e membros da equipe do Programa Sentidos Urbanos. O foco foi a demonstração de como será o trabalho da equipe e a apresentação da oficina Ouro Preto: Olhares (IM)Possíveis, que tem como objetivo a experimentação audiovisual e a construção de imagens através de um novo olhar. Depois da reunião, a equipe se reuniu com os estudantes que participaram de jogos teatrais, como o nome e gesto, onde eles diziam os nomes e executavam uma ação; e o passa bola, onde treinaram o olhar atento e o corpo presente. Essas dinâmicas “quebraram o gelo” e proporcionaram a interação entre a equipe e os alunos, que, em seguida, participaram de uma roda de conversa, onde puderam falar sobre as suas impressões sobre o roteiro sensorial, realizada na segunda-feira, dia 8, além de assistirem o vídeo do passeio.
Depois de falar sobre o roteiro sensorial, os alunos foram convidados a fazer um “mapa afetivo”, ou seja, uma ilustração de seu roteiro diário: da casa até a escola. Neste roteiro, os estudantes puderam desenhar o que eles viam no caminho, e o que chamava mais a atenção. Depois do exercício pronto, eles mostraram os seus desenhos, e disseram para os colegas e para equipe, o que significavam as imagens desenhadas. A ideia é que com esse mapa seja possível a construção de uma imagem de um cartão postal diário, algo que vai reverberar na próxima oficina Ouro Preto: Olhares (im)possíveis, que acontecerá no próximo dia 18, quinta-feira.
Confira o vídeo relatório dessa atividade:



sexta-feira, 12 de maio de 2017

Oficina Olhares (IM)Possíveis em Mariana

Sabia que neste ano, no Programa Sentidos Urbanos: Patrimônio e Cidadania, estão sendo trabalhadas três diferentes ações? Sim, além dos Roteiros Sensoriais e do Circuito Expositivo da Casa da Baronesa, já comentadas aqui no blog, a equipe do programa ainda realiza mais uma ação: Olhares (IM)Possíveis.
A oficina tem engajamento audiovisual, com o objetivo de trabalhar o tema educação patrimonial e, consequentemente, a ideia de pertencimento por meio da experimentação em fotografia e vídeo. Normalmente trabalhada em escolas, a intenção da oficina é que a criança ou o adolescente, em um primeiro momento, perceba o espaço em que flui cotidianamente e, num segundo momento, que esse espaço seja registrado em vídeo. A conclusão da oficina é a edição do material audiovisual e, em muitos casos, a fruição - lê-se aqui desfrute, admiração e vivência - dos participantes no espaço captado.
E, no último dia 10, quarta-feira, ocorreu a primeira oficina Olhares (IM)Possíveis, em Bandeirantes, distrito de Mariana, na Escola Estadual Cônego Mauro de Faria, com as turmas da educação integral. Esta ação em Bandeirantes é uma parceria com coletivo MICA - Mídia, Identidade, Cultura e Arte.
Como de costume, os mediadores chegaram “quebrando o gelo” com a turma de cerca de 25 alunos com um jogo teatral. Em seguida, os adolescentes puderam conhecer um pouco sobre a história da fotografia e alguns conceitos básicos. Após se sentirem mais à vontade tanto com a equipe quanto com o tema e as técnicas, é hora de a turma fazer o que chamamos de mapa afetivo. Nesta atividade, cada aluno foi convidado a desenhar o trajeto feito de sua casa até a escola e elencar alguns pontos que o chamassem atenção - seja positiva ou negativamente. Ah, vale escrever também!
Mapa afetivo terminado, é hora de luz, câmera e ação! A equipe do Sentidos Urbanos foi às ruas e acompanhou a turma de alunos nos trajetos indicados, que fizeram os registros fotográficos.
O dia 10 foi bastante produtivo e, na próxima semana, ocorre um encontro no dia 17, quarta-feira. Mas, a equipe ainda tem muito trabalho pela frente, e os encontros para discussão e edição do material registrado acontecem até a primeira semana de Junho. Portanto, nos acompanhe aqui no blog e em nossas redes sociais, que já, já voltamos com mais novidades.



terça-feira, 9 de maio de 2017

Mesa Sensorial na Casa do Professor

A agenda de atividades do programa Sentidos Urbanos: Patrimônio e Cidadania está a todo vapor! E, na última semana de abril, no dia 26, a equipe do Sentidos Urbanos esteve na Casa do Professor, em Ouro Preto. A equipe se reuniu com um grupo de cerca de 30 professoras da rede municipal de ensino que, na Casa do Professor, fazem parte do Projeto de Formação Continuada, Módulo II - “Diversidade e Escola Inclusiva”, organizado pela psicóloga Claudia Itaborahy Ferraz e a pedagoga Wanderly Auxiliadora Ferreira.
Levando em consideração o mote do segundo módulo do projeto, o planejamento da equipe foi feito de modo com que os exercícios propostos trabalhassem os cinco sentidos e a omissão, ora ou outra, de algum deles. Eu te explico melhor!
Além dos exercícios iniciais de desinibição do grupo, reconhecimento e uso do espaço e, posteriormente, de concentração, a equipe lançou mão do que chamamos de mesa sensorial. O objetivo era que, em frente à mesa, de olhos vendados, as professoras identificassem objetos, guloseimas e temperos cotidianos, explorando o olfato, o tato, o paladar, (os três?), inibidas da visão.



Por lá, elas viram… ops, quer dizer, sentiram o cheiro do pó de café e do orégano, o gosto das balinhas de goma e a silhueta dos prendedores de roupa, além de outras coisinhas que foram levadas. Posteriormente, mas ainda vendadas, as professoras registraram, através de desenho, as sensações da atividade em um papel. Depois, agora sem as vendas, puderam ver os objetos sob a mesa e compartilhar a experiência em roda.



E não para por aí, no próximo dia 31/05, nossa equipe retorna para participar da atividade de formação. Dessa vez, realizaremos um roteiro sensorial com planejamento voltado para o tema do módulo II: "Diversidade e escola inclusiva".
Bacana, né?  Fique de olho aqui no blog e na nossa página que a gente volta com mais novidades.




Ouro Preto: Olhares (Im)Possíveis - Estudantes da EM Prof. Adhalmir Santos Maia realizam Roteiro Sensorial

Na manhã de segunda-feira, 8 de maio, os alunos do 5º  ano da Escola Municipal Prof. Adhalmir Santos Maia e a professora da turma, participaram do roteiro sensorial organizado pela equipe do programa Sentidos Urbanos. Tendo como eixo principal a ideia de conhecer a cidade de Ouro Preto através dos sentidos, os alunos puderam explorar o centro histórico por outro viés, atentando, principalmente, aos detalhes do lugar.
Na Praça Tiradentes foi proposto um primeiro exercício de apresentação para que todos pudessem se conhecer: “Passa palma”, onde, em roda, quem passasse a palma para um colega deveria, ao mesmo tempo, dizer seu nome; assim foi feito até que todos puderam apresentar-se.
Ainda na praça os estudantes tiveram acesso ao dispositivo popcard: um cartão postal que simula uma câmera através de um orifício que ajuda a atentar aos detalhes da paisagem. A fachada do museu da Inconfidência e suas estátuas chamaram a atenção dos estudantes, que demostraram curiosidade sobre a história do lugar. Depois de visitar a praça, os alunos seguiram em direção à feirinha de pedra-sabão, onde puderam sentir o local de outra forma: com os olhos fechados e tapando os ouvidos. Estas ações proporcionaram aos estudantes uma nova forma de conhecer o local; despertando-lhes a curiosidade e explorando os outros sentidos.
            Antes de chegar ao destino final do roteiro, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, no bairro Antônio Dias, os estudantes tiveram acesso a novos dispositivos: a venda e o espelho. Com o uso destes objetos, os alunos puderam sentir o ambiente por outras perspectivas, que fogem ao olhar cotidiano.

Esse roteiro foi a primeira atividade da ação Olhares (Im)Possíveis, que terá como foco a linguagem audiovisual e a exploração desta na criação de imagens.
Confira o vídeo relatório dessa manhã de atividades:




Ocorreu um erro neste gadget